A magia do Minibasquete Limiense

A época de Minibasquete do BCL tem sido, até ao momento, verdadeiramente fantástica, uma vez que só no escalão de Minis 08/10 já conseguimos ultrapassar os 100 praticantes. Os torneios realizados até à data têm sido repletos de muita alegria, competição saúdavel e, acima de tudo, muita evolução. É prematuro afirmar-se que teremos excelentes atletas no futuro, no entanto, o nível apresentado pelos nossos petizes é já bastante promissor. A comprovar isto mesmo, uma seleção de Minis do clube deslocou-se a Gondomar, no dia 14 de fevereiro, para um torneio brilhantemente organizado pelo Club 5Basket, com equipas de Aveiro, Porto e Vila Real, na qual os nossos atletas puderam mostrar as suas enormes qualidades e determinação, vencendo todos os jogos disputados.

No dia 15 de fevereiro realizou-se a 5ª etapa do IV BCL Minibasquete, competição esta que junta os praticantes dos Centros Educativos de Arcozelo, Facha, Feitosa, Freixo, Gandra, Refoios e Vila, que, mais uma vez, encheu o pavilhão Municipal de Ponte de Lima com muitos praticantes e pais na bancada.

Por fim, no passado dia 22 de fevereiro, os nossos Minis dos núcleos da Feitosa, Gandra, Refoios e Vila participaram na 5ª Etapa da XIV Torné da Associação de Basquetebol de Viana do Castelo, tendo a oportunidade de jogar com atletas do mesmo distrito.

O próximo evento será já no dia 1 de março na 6ª Etapa da XIV Torné da Associação de Basquetebol de Viana do Castelo, em Viana, e está destinada aos núcleos da Facha, Feitosa e Freixo.

Se pretendes praticar Minibasquete vem participar num dos muitos treinos a acontecer nos diversos Centros Educativos onde o BCL está presente. Esperamos por ti!

bDSCF4225mini8-10

Resultados de fim-de-semana 21/22 de fevereiro

No passado fim de semana realizaram-se sete jogos com as equipas de formação do BCL, que quase na totalidade se encontram a disputar provas nacionais, nomeadamente Campeonato Nacional, Taça Nacional e Inter-Associações.

Os atletas de Sub 14 Masculinos receberam em casa o 1º classificado do Campeonato Nacional (Guifões S.C.) e perderam por 50-76. O próximo jogo será contra o 2º classificado (Dragon Force – FCP), que se realiza no próximo domingo, dia 1 de março, no Porto.

Quanto à equipa B dos Sub 14 Masc., a disputar a Taça do Minho e que é composta por jogadores de 1º ano e do escalão abaixo (Sub 12), viajou até Valença para enfrentar o BC Valença, acabando por perder por 96-23. O próximo jogo será contra o CB Viana no dia 1 de março, em Viana do Castelo.

As Sub 14 Femininas receberam para o Campeonato Nacional o ADCE Diogo Cão (Vila Real), vencendo por 86-41, consolidando assim o 3º lugar na prova. A equipa defronta no dia 1 de março o SC Coimbrões, em Gaia.

Os Sub 16 Masculinos receberam e venceram um importante primeiro jogo na competição de Inter-Associações contra o UAA Aroso (Porto) por 54-47 e defrontam fora, no dia 28 de fevereiro, o GDB Leça.

Quanto às Sub 16 Femininas, as atletas estrearam-se na Taça Nacional com uma vitória em casa por 74-60 contra o Vitória de Guimarães. As atletas defrontarão a ED Viana no próximo dia 28, em Viana.

Por fim, os Sub 18 Masculinos tiveram jornada dupla e não foram felizes em ambos os jogos, uma vez que perderam no sábado contra o Maia BC por 55-119 e no domingo por 79-61 contra o Vitória de Guimarães. A equipa vai receber o ATC de Famalicão no próximo dia 28.

Desejamos que o próximo fim-de-semana seja repleto de jogos competitivos para permitir e promover a evolução dos nossos atletas.

A importância da família junto do jovem desportista

10679877_315020525369118_3189335690248851734_o10841771_323866281151209_1379414992661572328_o

   “No mundo do desporto, não são raras as situações onde observamos os pais, que são as pessoas que mais gostam das crianças, transformarem-se nos seus maiores inimigos (…) mas é também uma realidade, que a grande maioria dos pais apoia os seus filhos, o que torna o epicentro de suporte ao desenvolvimento desportivo.” (Raposo 2006)

   Todos os pais querem o melhor para os seus filhos. Esta afirmação faz com que os pais tenham uma natural e normal visão centrada nos seus filhos e uma visão afunilada da sua pratica desportiva, tendo dificuldade na maior parte das vezes de analisar o envolvimento desportivo em que os filhos se encontram inseridos.

   Felizmente a maioria dos pais são participativos e envolvem-se correctamente no acompanhamento dos seus filhos no  desporto, sendo um contributo essencial à sua formação. Mas infelizmente é um facto cada vez mais assistido e debatido no desporto, alguns país, procuram nos filhos o sucesso que nunca experimentaram como praticantes desportivos, e outros por terem sido bons praticantes e atingido bons resultados manifestam ressentimento pelos filhos não conseguirem alcançar feito idênticos aos seus.

   Os pais são um pilar fundamental na formação dos atletas assumindo um papel fundamental e crucial para o sucesso da formação desportiva e da construção de uma carreira desportiva. Para isso têm que colaborar de forma positiva na formação da personalidade do jovem e encarar com naturalidade o treino e a competição e percebendo que cada criança e jovem é diferente biológica e psicologicamente e existem igualmente ritmos de aprendizagem e maturação diferenciados.

   Para muitos pais o que interessa são os resultados desportivos nos treinos e nas competições, criando nesses resultados a base da análise do desempenho dos seus filhos, fazendo com que o seu sucesso oscile com os seus bons ou maus resultados, não entendendo assim que estas oscilações são normais no processo de formação desportiva. A atitude certa passará sempre pela não criação de expectativas exageradas quando surgem os bons resultados e a não desvalorização nem comparação quando os resultados, por diversos motivos, surgem menos bons, aí tem que haver a tentativa da compreensão e da consequente  aprendizagem que daí advém.

   Espera-se assim que os pais ajam de forma a que os filhos não faltem aos treinos, sejam pontuais, que pratiquem uma boa alimentação e tenham bons hábitos de vida, que controlem as horas de repouso/sono, que tenham atenção ao seu estado de saúde, comunicando sempre que surja qualquer sintoma fora do normal, que transmitam entusiasmo, que adoptem atitudes positivas e compreensão nos momentos menos bons, que respeitem as competições, os seus regulamentos e decisões de arbitragem, não misturem a sua função com a do treinador, que sejam um pilar de apoio no decurso de todo o processo formativo. No fundo que deixem os seus filhos CRESCER como atletas e como Homens.

   Segue-se uma lista que sistematiza de uma forma muito directa a assertiva aquilo que os pais devem e não devem fazer para ajudar os filhos que praticam desporto.

O que os pais não devem fazer para ajudar os filhos que praticam desporto:

• Forçar os filhos a praticarem qualquer actividade desportiva;

• Discutir com árbitros e juízes;

• Comentar publicamente, de forma depreciativa, o comportamento de jogadores, treinadores, árbitros e outros pais;

• Interferir de algum modo no trabalho do treinador;

• Criticar excessivamente os resultados alcançados pelo filho;

• Ajudar a criar expectativas exageradas sobre o seu futuro como praticante desportivo;

• Alimentar, com elogios fáceis, a aparecimento de atitudes de vaidade e sobranceria;

• Proibir a prática desportiva, como forma de castigo, em particular face aos maus resultados escolares.

 

O que os pais devem fazer para ajudar os filhos que praticam desporto:

• Estar presente nas competições em que eles participem;

• Encorajá-los a respeitarem as regras da modalidade e do espírito desportivo;1518820_315020565369114_7047251185888950686_o

• Dar um bom exemplo, através de um relacionamento amigável com os pais e acompanhantes dos adversários;

• Realçar sempre o prazer de fazer desporto e a alegria de o praticar;

• Elogiar o esforço realizado e os progressos conseguidos;

• Aplaudir todas as marcas alcançadas, independentemente de quem as realiza;

• Ajudar a conciliar a sua actividade escolar e desportiva;

• Apoiar e acompanhar a actividade sem pressionar ou intrometer-se;

• Ter sempre presente que se trata de uma actividade dos jovens e para jovens;

• Ajudar o treinador, o dirigente e o clube na resolução dos problemas relacionados com a actividade desportiva em que ele está envolvido;

• Ter um comportamento respeitador e comedido perante as vitórias e as derrotas e ajudar o filho a assumir semelhante atitude.

Adaptado de: http://navalnatacao.home.sapo.pt/a_familia_e_o_desporto.htm Jovens no Desporto. Centro de Estudo e Formação Desportiva (IDP)

    10488020_718514458261632_7969839218578452614_n 10906247_333080743563096_304873817827399229_n